Ouça agora na Rádio

N Notícia

Universidade Federal da Fronteira Sul decide pela destituição do reitor nomeado pelo Governo Federal

FOTO: MAB - RS

Universidade Federal da Fronteira Sul decide pela destituição do reitor nomeado pelo Governo Federal

A Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS, é uma instituição pública de ensino superior que, assim como as demais, vêm sofrendo com o projeto de sucateamento da educação pública vigente no Brasil.

No primeiro semestre deste ano, a UFFS passou pelo processo de escolha do novo reitor na Universidade e dos novos diretores de seus seis campis, sendo eles Erechim, Passo Fundo e Cerro Largo, no RS; Laranjeiras do Sul e Realeza, no PR; e Chapecó em SC.

Para a reitoria da Universidade, o candidato que conquistou o maior número de votos,  foi o professor Anderson Alves Ribeiro, que disputou o segundo turno da consulta com o professor Antônio Andrioli.

No dia 30 de agosto, o presidente Bolsonaro decretou a nomeação do terceiro colocado na eleição, Marcelo Recktenvald, para a reitoria da UFFS, num ato de intervenção na Universidade. Tal decisão foi recebida pela instituição e pela sociedade como um ataque à democracia, por não respeitar o processo eleitoral e por ferir o artigo 207 da Constituição, que trata da autonomia universitária.

Em resposta à medida, considerada autoritária, os estudantes da Universidade ocuparam o prédio da reitoria, localizado em Chapecó, em protesto à nomeação de Marcelo. O interventor entrou com pedido de reintegração de posse do prédio, o qual foi negado pela juíza responsável pelo caso. Dias depois, o Conselho Universitário, que é o órgão máximo deliberativo da UFFS, intermediou a negociação entre os ocupantes e a reitoria, para promover a desocupação do prédio de forma amigável.

Recentemente, na última semana, os seis campis da UFFS promoveram assembleias para votar a respeito do pedido de destituição de Marcelo Recktenvald,  que contaram com a participação de estudantes, técnicos, professores e comunidade regional nos três estados do Sul do Brasil. Ao todo, 94% dos votos foram favoráveis ao pedido de destituição, o qual deve ser aprovado pelo Conselho Universitário e enviado ao Ministério da Educação. O resultado da consulta mostra que, majoritariamente, os estudantes, técnicos, professores e a comunidade regional de todos os campis da UFFS não aceitam o interventor Marcelo Recktenvald como reitor da instituição, por defenderem a manutenção e o fortalecimento da educação pública, democrática e popular brasileira. 

FONTE: MAB - RS
Link Notícia