Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Destaques

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Pandemia provocou mudanças e avanços na telemedicina na Europa e Brasil

Postado em 16/07/2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : Pandemia provocou mudanças e avanços na telemedicina na Europa e Brasil*


Hospital Moinhos de Vento

Se no Brasil a pandemia garantiu a regulamentação da telemedicina, em países como Inglaterra e Portugal a COVID-19 exigiu ampliação e adequação dos seus sistemas. O Departamento de Saúde do Reino Unido, por exemplo, teve 48 horas para organizar uma rede de atendimento online com capacidade de triar, monitorar e dar orientações a milhões de britânicos com sintomas de infecção por coronavírus. No Hospital da Luz, de Lisboa, a demanda por consultas por videoconferência, que era de 20 a 30 por dia, mais do que triplicou desde fevereiro e o número de espaços dedicados ao serviço foi ampliado de sete para 22.

Essas mudanças foram abordadas durante a sexta edição da live Moinhos Talks, que teve como  tema “A Telemedicina na Europa: o que o Brasil tem a aprender?”. O evento online foi realizado em parceria com o governo britânico e trouxe as experiências de alguns desses países, a partir da visão de três especialistas: Hassan Chaudhury, líder de saúde digital na Healthcare UK (Departamento de Saúde do Reino Unido); Daniel Ferreira, diretor clínico do Digital Clinical Center do Hospital da Luz de Lisboa (Portugal); e o brasileiro Erno Harzheim, que foi secretário da Saúde de Porto Alegre, secretário da Atenção Básica de Saúde do Ministério da Saúde e um dos criadores do Telessaúde no Rio Grande do Sul.

O gestor da Healthcare UK ressaltou que apesar da telemedicina ser uma prática que existe há anos no Reino Unido, era pouco valorizada – e a COVID-19 exigiu uma ampliação da rede de atendimento remoto. “A pandemia mudou tudo e nos mostrou que o sistema de saúde que não tiver uma estrutura robusta e qualificada de teleatendimento não sobreviverá aos próximos 10 anos. E esse investimento vai valer a pena, será economicamente viável, porque agora é essencial”, disse Hassan Chaudhury. Ele explicou como está funcionando a rede de saúde digital e como isso reduziu a circulação de pessoas, evitando uma disseminação ainda maior da infecção. O britânico ponderou que o foco na COVID-19 represou pacientes com outros problemas de saúde, especialmente cardíacos e oncológicos, o que vai exigir um plano para o atendimento destes casos. 

Segundo o diretor clínico do Digital Clinical Center do Hospital da Luz, este será um desafio mundial. Mas para Daniel Ferreira é justamente a telemedicina que poderá ajudar a desafogar o sistema nos casos de doenças crônicas. “Em situações estabilizadas, podemos fazer um acompanhamento remoto e alternar visitas presenciais com as consultas online. Exigirá disciplina do paciente, que terá que fazer as medições como de pressão arterial, medicação, etc, e o envio desses dados ao médico. Por outro lado, cabe aos profissionais e instituições de saúde criar os aplicativos e ferramentas para este controle e troca de informações”, pontuou.

                Um dos criadores do Telessaúde no Rio Grande do Sul, Erno Harzheim acredita que a utilização cada vez mais ampla da telemedicina é um caminho sem volta. Ele citou a cirurgia robótica e técnicas como a videolaparoscopia como procedimentos que dispensam a presença física do médico, por exemplo. “Mesmo que se pesquise pouco e tenhamos uma carência de estudos e metanálise, porque não há interesse de avaliar e atestar se é eficaz ou não, a demanda e a oferta por telemedicina e telessaúde vêm aumentando muito rapidamente. O que temos de avaliações sobre efetividade mostram bons resultados com custo reduzido”, afirmou.

O debate teve apresentação do médico e coordenador de saúde digital do Hospital Moinhos, Felipe Cabral, e mediação do superintendente médico da instituição, Luiz Antonio Nasi. O evento foi transmitido pelo canal do hospital no Youtube.

 

Telemedicina e pandemia no Hospital Moinhos

Em dois meses, mais de 2 mil atendimentos médicos remotos foram realizados por profissionais do Hospital Moinhos de Vento. Trata-se de um reflexo das restrições impostas pela pandemia, o que acabou antecipando uma tendência que a instituição já vinha investindo. “A telemedicina é um processo avançado para orientar, consultar e monitorar pacientes, trocar informações médicas e realizar diversos diagnósticos a distância”, enfatizou Cabral .

A prática foi regulamentada este ano no Brasil, por necessidade, com a chegada da COVID-19. Em outros países, a telemedicina já é utilizada há anos de forma segura, conforme as respectivas legislaçõesa ética e as normas médicas – sendo bastante utilizada nos Estados Unidos, Canadá e principalmente na Europa. Para o superintendente médico, por aqui, os maiores desafios são os custos e o acesso ao serviço. “Sabemos que nem todo mundo tem acesso à internet de qualidade, a bons dispositivos e aplicativos. Talvez muitos dos pacientes que mais precisem não consigam ter acesso. Os governos vão ter de entregar conexão e condições para que os mais vulneráveis também sejam atendidos”, concluiu Nasi.

Hospital Moinhos de Vento

Link da Notícia

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários