Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Destaques

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Governo Federal reconhece situação de emergência em 163 municípios devido a estiagem no RS

Postado em 16/04/2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : Governo Federal reconhece situação de emergência em 163 municípios devido a estiagem no RS*


G1 RS

O Rio Grande do Sul tem 281 municípios que decretaram situação de emergência por conta da estiagem. Destes, 176 decretos já foram homologados pelo estado e 163 reconhecidos pelo Governo Federal.

Na Região Central, a falta de chuva, que já dura mais de três meses provocou perdas de quase R$ 3 bilhões na agricultura, principalmente na produção de soja.

“As culturas de verão foram extremamente afetadas, com danos irreversíveis. Já estamos concluindo a colheita desses grãos e não há mais nenhuma possibilidade de recuperação dessas lavouras estão esses prejuízos estão consolidados.”, assistente técnico da Emater na Região Centro, Luis Oliveira.

Na Região Oeste, o prejuízo é estimado em R$ 1 bilhão. A Federação das Cooperativas Agropecuárias do RS estima que em todo o estado as perdas na safra de grãos passem dos R$ 15 bilhões.

A falta de água também é um problema enfrentado em algumas cidades do RS.

Em Santa Maria, no centro do estado, nos últimos quatro meses a Defesa Civil já distribuiu mais de 180 mil litros de água para as famílias do interior. No ano passado, foram distribuídos 176 mil litros.

De acordo com o coordenador Defesa Civil Santa Maria, Adão Lemos, o número de localidades atendidas dobrou.

“Antigamente eram 5 localidades, agora são 10. Aproximadamente 900 pessoas eram atendidas, hoje nós atendemos cerca de 1800 pessoas.”

Na localidade onde o motorista Jocemar Goulart vive, 12 famílias estão sem águas. Segundo ele, nunca havia ocorrido uma estiagem tão severa.

“Em casa a gente tem se virado usando o menos possível de água que eles trazem. A gente ou compra, ou busca, e usas vasilhas menores para se manter higienizado. Essa seca tá bem pior que as outras. Então para nós está ficando cada vez mais difícil”, conta Jocemar.

Segundo a Defesa Civil, na Região Oeste, 90% das cidades passam por dificuldades financeiras e de abastecimento. A cidade de Santa Margarida do Sul conseguiu um recurso de R$ 64 mil através do Ministério de Desenvolvimento Regional para abastecer 120 famílias com um caminhão pipa alugado.

O veículo terá capacidade para distribuir 10 mil litros por litros por viagem e o valor do recurso deve pagar o aluguel do veículo durante um mês e meio.

O coordenador da Defesa Civil da Região Oeste, Rinaldo Castro, afirma que as cidades que decretaram situação de emergência já tem o reconhecimento federal.

“Já temos todos os municípios com a situação de emergência homologado na nossa região. Todos eles já tem reconhecimento federal. É importante o reconhecimento federal porque ele habilita o município a buscar recursos federais e respostas para fazer frente a este desastre que é a estiagem e tanto afeta nossos municípios”, relata Rinaldo.

O produtor rural de Ijuí, na Região Noroeste, José Brum, vai tirar apenas metade do investimento na lavoura de soja.

“Ano passado a gente teve uma média de 60 sacos por hectare. Esse ano tá em 20, 25, essa é mais ou menos a média. Então é uma quebra de 50, 60% de safra de soja. O custo dá para dizer que é o mesmo assim, né. A gente não conseguiu reduzir muito os custos da lavoura. O custo da lavoura hoje é muito alto. Então vai sobrar muito pouco”, diz o produtor.

Além da cultura da soja, a bacia leiteira de Ijuí também registra uma baixa. Segundo a Emater, a diminuição na produção de leite está em cerca de 45%, levando famílias a vender animais ou parar de produzir.

As perdas nas produções de soja, leite e outras culturas da cidade, chegam aos R$ 160 milhões.

“Esta atividade tem como principal custo de produção a alimentação. E a alimentação é baseada em três fatores. Primeiro é a pastagem, segundo é a silagem e o terceiro é a ração. A ração teve uma majoração de seus preços em função de que teve um aumento muito grande da matéria prima, que é o farejo de soja, o milho e o trigo”, afirma o extensionista rural da Emater, Edevin Bernich.

G1 RS

Link da Notícia

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários